segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Revolução Estudantil

Há muito vai o tempo em que a união dos estudantes fazia a diferença e fazia cair governos e mudava  politicas. Uma geração, geração de 60, marcou as universidades europeias e americanas com os seus movimentos estudantis a serem motes para revoluções. Hoje, um dia depois das eleições presidenciais e sabendo quem as venceu, o sentimento que tenho é que iremos perder mais meia década, num país que cada vez mais se afunda num abismo de problemas para as quais ninguém parece ser capaz de encontrar a solução, e a continuação do senhor que ontem venceu é mais um marco de uma sociedade perdida, abandonada e adormecida que habita este país. Por isso venho aqui hoje, para fazer um pedido, que será lançado mais em forma de ultimato, às forças vivas da comunidade, os estudantes, para que eles se levantem nesta hora de dificuldade e que se unam e deiam uma demonstração da sua força com o objectivo de acordar a sociedade e de dar um rumo a este barco, chamado Portugal, que anda à deriva. Está na hora de os estudantes de hoje se inspirarem no passado, em Afonso, em D. João I, em D. João V, na crise académica de Maio de 62, no movimento de Maio de 68, no luto académico de Abril de 69 e na revolução dos cravos representada por Salgueiro Maia, para juntos tentarem por fim fazer algo por este país.
Eu recuso-me enquanto estudante e cidadão ficar sentado a ver cair o meu país, a assistir à destruição do estado social, ao êxodo de estudantes que deixam de o ser por não terem dinheiro para propinas. Temos mais do que nunca de nos fazer ouvir e citando Alberto Martins (Presidente da direcção da AAC em 1969 e Actual ministro da Justiça):
"APRENDAMOS A LIÇÃO DA UNIDADE, SÓ A UNIDADE É CONDIÇÃO DA FIRMEZA DA NOSSA LUTA E SÓ A FIRMEZA DA NOSSA LUTA É CONDIÇÃO DA NOSSA VITÓRIA! NADA ESTARÁ VEDADO AOS ESTUDANTES PORTUGUESES!"

Está na hora de a AAC, AAUM, AAL, FAP, AAUALG, AAUAV, AAUAb e todas as Associações Académicas deste país colocarem de lado as diferenças e unirem-se em nome do bem maior que são os estudantes e a sociedade portuguesa e levarem a cabo uma luta e acções que honrem os seus pergaminhos!!! E tenho dito...


 





2 comentários:

max weber thorenson disse...

Já pensaram que 90% dos estudantes em dúzias de países são trabalhadores estudantes

max weber thorenson disse...

estudantes de hoje se inspirarem no passado, em D. João V

o que gastou o ouro do Brasil e pedrarias adjuntas

então é o Sócrates e o Cavaco e o Soarismo todo já não há...

todos os dias há desempregados que viveriam melhor com os centos de milhões que custam as universidades do litoral