sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Uma geração (cada vez mais) perdida

“Quando era jovem e livre e a minha imaginação não tinha limites, sonhava mudar o Mundo. Quando fiquei mais velho e mais sábio, descobri que o Mundo não mudaria e assim reduzi um pouco os limites do meu ideal e decidi mudar apenas o meu País. Porém este, também, parecia imutável.

À medida que chegava ao crepúsculo, numa última e desesperada tentativa, procurei mudar apenas a minha família, aqueles mais próximos, mas, ai de mim, eles não mudaram.

E agora, deitado no meu leito de morte, subitamente percebo: se primeiro me tivesse apenas mudado a mim mesmo, então, pelo exemplo, teria mudado a minha família. Com a sua inspiração e estímulo, poderia ter melhorado o meu País e, quem sabe até, ter mudado o Mundo.”

Que sirva de reflexão a toda a esta geração jovem.
Nós nem tentamos mudar o país, nem tentamos mudar nós próprios... o que nós estamos há espera é de um milagre que nunca chegará e por este andar, não tarda muito, ficamos sem país e sem liberdade e sem tudo aquilo que demorou séculos a conquistar!
Quando esse dia chegar alguém que faça o favor de me matar pois recuso-me a viver numa sociedade que preferiu ficar parada a ver o seu País e os seus valores serem destruídos do que lutar.
Sinto um desgosto enorme nesta geração, pois os jovens deviam sonhar em mudar algo e lutar para que isso acontecesse, mas, estes jovens da minha geração, preferem declarar a derrota e desistência antes de sequer chegarem à guerra ou à batalha... dizendo melhor eles chegam a preferir perdê-la por falta de comparência do que se impor pelos seus valores e pelos seus sonhos e vontades... Uma geração que desiste antes de começar, que será de nós daqui a 2 décadas, que será deste nobre País quando esta geração assumir a liderança dos destinos do Estado...
Para onde caminhamos meus amigos??? Para onde vamos meus companheiros??? Que rumo é este jovens de Portugal???


PS.: Desculpem o texto reflexivo e não estarmos muito activos mas estamos em fase de exames e isso acaba por afectar o blog...

13 comentários:

Anónimo disse...

Caro fumega, e que tipo de mudança propões tu, ah?

Olha que, parecendo que não, essa cena da mudança pode ser uma coisa complexa e até geradora de problemas..É o que diz quem manda...

Eu acho muito bem que os jovens se juntem, animem e....lutem, mas que rumo devem eles procurar? Mudar de PS para PSD? Forçar o governo a adoptar medidas que estimulem a economia? Legitimar o assalto à mão armada a bancos e seguradoras? Libertar os presos que nunca tiveram outro destino?

Olha que se calhar a mudança tinha de ser uma coisa radical...e olha que a única coisa em que Portugal tem mão é na dívida soberana, porque no resto manda a Europa...

Filipe Fumega disse...

Caro anónimo,
eu apenas acho que esta geração tende a fugir dos problemas e não lhes ligar nenhuma. Quando perguntas que rumo devem eles procurar? Bem se formos a ver a história mundial e europeia diz que as grandes conquistas sociais foram conseguidas não pelos sindicatos mas sim pelos jovens... Os jovens devem promover a luta das ideias, não com marchas sobre Lisboa, mas com marchas sobre a sua própria cidade.

Aqui eu diria mesmo que se os jovens não querem mudar o País, que como tu dizes é difícil e complicado pois quem manda são os Bulldogs europeus (Alemanha e França) então que se mudem a si próprios. Parece-me triste ver falar que nas universidades mais de 80% dos alunos copiam, parece-me triste ver que o movimento juvenil e estudantil se tem afastado das lutas dos seus valores e que cada vez mais se transforma numa luta política e pelo tacho...

Não quero que se matem que peguem em armas e saiam pela rua fora aos tiros quero apenas que se levantem e digam estes são os nossos valores, estas são as nossas ideias... nós somos o futuro e como tal vocês (politicos e outros) que não conseguem lidar com os problemas do presente ouçam-nos a ver se nos endireitá-mos... Eu diria que aquilo que precisamos é de uma reforma estrutural geral, em todas ou quase todas as áreas, ou então continuaremos a perder as nossas mais fortes mentes e pessoas para outros países que lhes dão mais crédito e reconhecimento!

Filipe Fumega disse...

Já agora gostava de saber quem és anónimo!

Anónimo disse...

E quais seriam os princípios base dessa revolução - ou mudança, para ficar mais bonito -, quais os objectivos a curto e longo prazo, quem seria beneficiado, o que diria a esquerda e a direita, o que diria o governo e os sindicatos, o que diria a Europa e os mercados, quem a pagaria? É que isto de se ganhar com agiotamentos, parecendo que não, tem as suas desvantagens...

E já agora, os novos valores que se emanariam após essa revolução seriam compatíveis com o novo modo de vida?....

Passo a assinar como Eu

Filipe Fumega disse...

Princípios base seria os princípios da renovação... Olha na educação passaria pelas novas formas de avaliar, pois hoje em dia a educação portuguesa beneficia quem sabe decorar e não quem realmente sabe aplicar os seus conhecimentos há realidade e fica com as bases desse conhecimento. Se fores a uma universidade por estes dias e começares a disparar perguntas aos estudantes sobre temas dos seus cursos e unidades curriculares eles provavelmente vão saber tudo... Se fizeres o mesmo exercício dentro de 1 mês garanto-te que serão poucos os que terão um conhecimento, ainda que mínimo sobre esse tema, e a resposta que receberás será "O que é isso?" ou "Eu não sei nada sobre isso!" ou "Eu já soube o que era mas agora não sei!" ou ainda a preferida de todos "Eu nunca dei isso!"... E depois terás aí uns 15% de mentes cultas que te dirão, mesmo que incompletamente, algo sobre o tema e defenderão o seu ponto de vista... Achas que isto é uma educação de um País em que se defende que a próxima geração terá de conseguir resolver os problemas ou ser capaz de grandes proezas???

PS.: Gostei do Eu... E não leves a mal querer saber quem és, é só que acho quem defende as suas ideias não deve ter medo de dar a cara... Seja aqui ou na China.

Anónimo disse...

E porque é que, actualmente, os jovens procuram apenas decorar e não aprender? E se o sistema de ensino fosse outro, achas que seria compatível com o actual modelo de sociedade?

Eu

Filipe Fumega disse...

Talvez porque os jovens de hoje procuram o facilitismo e preferem a farra ao estudo... (Não todos mas a maioria)

Sobre a segunda pergunta eu vou-te responder com algo que aprendi em direito nem sempre a lei é criada pelo desenvolvimento da sociedade, por vezes a lei pode ser uma forma acelerar esse desenvolvimento. Assim sendo o que eu digo é que se a sociedade prefere decorar e se mantém assim então que se mude o sistema na mesma e a sociedade adapta-se, como se adaptou à lei da despenalização do aborto e como se irá adaptar aos casamentos Gay...

Espero que tenhas percebido, Eu....

Anónimo disse...

Como perceberam os budistas, as pessoas procuram sempre o prazer e tentam fugir da dor. Não se pode condenar os jovens por estarem na busca de prazer.

Mas repara que o mercado de trabalho procura pessoas que saibam aquilo de que as empresas necessitam, forçando, portanto, os alunos a saberem aquilo que muitas vezes não coincide com aquilo que são os seus interesses. Esse conhecimento chato, formatado, repetitivo e inútil, aliado ao facto de os alunos se sentirem obrigados a saber, é a causa do desinteresse e do recurso ao facilitismo, bem como da deterioração não só do auto-didactismo como também da arte.

Filipe Fumega disse...

Eu percebo o ponto de vista e até concordo... Porém é evidente que as empresas procuram pessoas que saibam aquilo de que necessitam, porém nenhuma empresa no seu perfeito juízo iria recusar uma pessoa com conhecimento noutra(s) área(s). Contudo aqui e em relação Às empresas e dos empregados, eu considero que a sociedade portuguesa tem esse mal o mal da especialização, as pessoas deviam ser polivalentes não querer trabalhar só aqui ou ali. Não há razão para um gestor não ser um contablista, ou um administrador um supervisor....
Em relação ao "conhecimento chato, formatado, repetitivo e inútil, aliado ao facto de os alunos se sentirem obrigados a saber, é a causa do desinteresse e do recurso ao facilitismo, bem como da deterioração não só do auto-didactismo como também da arte.". Concordo muitas vezes o conhecimento não é ensinado da melhor forma... mas os alunos tem de ser capazes de perceber que o facilitismo não ajuda, o decorar e o copiar não são nada, eu falo por mim dá-me mais "gozo" fazer um teste por mim com conhecimento cimentado e tirar um 10 do que tirar um 17 a copiar ou decorar... Porém cada um é como é...

Filipe Fumega disse...

Já agora os alunos que decoram limitam-se a enunciar aquilo que decoraram ou copiam;
Os outros são capazes de explicar, interligar e até aplicar a realidade!

Anónimo disse...

Mesmo que fosse mudado o processo de avaliação dos alunos, nada mudaria na pratica. Não acabarias com o desemprego, com a criminalidade, com a taxa de ocupação prisional, com a corrupção e nem ajudarias as crianças que morrem com problemas ligados com a pobreza e a fome em cada 5 segundos que passa. A mudança que procuras, se é significativamente relevante, tem de ser bem mais radical.

Aproveito para assinar também o antigo post xD
Eu

Filipe Fumega disse...

Anónimo a curto prazo não a médio/longo prazo talvez...
Mas eu dei o exemplo da educação mas há muitas áreas a precisarem de mudanças. Há neste momento um crescimento do descrédito desta geração, quando digo que ela desiste antes de entrar em campo quero dizer que ela não luta contra as más medidas... Todos falamos do 25 de Abril e do estado social, e se formos a ver essas conquistas foram conseguidas com a ajuda e apoio dos estudantes... Quem se lembra de Maio de 68 em França? Maio de 69 em Portugal?
Quando vês um dos líderes Europeus a dizer "É preciso matar/acabar com a herança de Maio de 68!!!" isto é a coisa mais inconcebível, numa sociedade que se quer o mais justa e equitativa possível.
Não digo que ambos os protestos tenham vicios maliciosos, porque nada é perfeito, mas as verdadeiras conquistas e as mais importantes ainda fazem sentido.

Hoje em dia vemos um descredibilizar da greve por parte dos sindicatos que protestam por A para pedirem B e quanto lhes dão B protestam porque afinal queriam C, mas que é isto??? Aprendam a saborear as vitórias, mesmo que curtas. Em termos de jovens e estudantes, antes do 25 de abril havia vontade de protestar e não se podia, agora pode-se mas simplesmente falta vontade para o fazer. Preferem resignar-se. Dizem que está mal mas preferem viver com isso e habituar-se a viver com o que está mal!!!

Os jovens são o elo mais importante da sociedade, principalmente os estudantes, se eles quiserem podem movimentar toda a sociedade, pois esta acredita neles e apoia-os nos seus protestos, agora é preciso dar o tiro de partida... Nada vai cair do Céu!!!

Anónimo disse...

A tua ideia é categórica e muito pragmática, e não podia concordar mais contigo em certos aspectos. Mas uma mobilização por parte dos jovens, que foram progressiva e ponderadamente estupidificados, dificilmente surgirá espontaneamente. urge portanto a criação de um movimento social, que vise não só reformar mas reformular completamente a nossa sociedade, trazendo novos conceitos, ideias e valores, e que tenha também como base princípios humanistas, defendendo mais igualdade e liberdade. É isto que defendes?

Eu